Arquivo do mês: abril 2014

Putz´n grilla: Capitão América….

A verdadeira força da Marvel e seus filmes é a legião de fãs adquirida nos últimos anos. Em todos os lugares do planeta, principalmente na esfera crítica do cinema, onde preferem ficar a favor da “onda” do que enfrentar a fúria dos fãs na internet. 

Esse foi o modo de entender o porque a cada filme lançado o título de “melhor filme da marvel” ou “melhor que vingadores” é adquirido quase que automaticamente. Foi assim com Iron man 3, com Thor 2 e agora com o novo Capitão América, ainda sobre a sombra do retumbante Vingadores, faz rios de dinheiro. Seguindo as recepções que li antes do filme, achei que iria encontrar um Jason Bourne com o uniforme do Capitão América. Ouvi por ai que era o melhor filme de quadrinhos de todos os tempos e a melhor da Marvel, imaginem só: Não tem Jason Bourne vestindo a bandeira americana, com certeza não é o melhor filme da Marvel, que continua sendo, na minha opinião “Xmen, First Classe”. O filme nem sequer é melhor que Vingadores, e se fosse, isso não é uma proeza cinematográfica, nem para quem gosta de HQ’s, nem para quem gosta de cinema e tampouco para os loucos que amam adaptações de HQ para Cinema.

Como diria o musico Sérgio Sampaio “cada lugar em sua coisa”. Então amigos, vamos começar.

Para não ficar falando mal, porque eu sou previsível demais quando se trata de filmes Marvel, vamos direto ao ponto bom do longa: Ele realoca Steve Rogers na contemporaneidade. Isso funciona muito bem para o anacronismo do personagem. Fantasmas do passado o assombram com a chegada do Soldado Invernal, da sobrinha de sua antiga namorada. Steve tem dificuldades de entender a complexidade da mulher moderna e independente, como Natasha Romanov e opta usar a internet para se atualizar. Medo. Bacana. Porem na hora de posicionar o personagem como um ícone militarista, líder natural e inspiração de um exército imbatível você tem o Chris Evans para fazer isso, e cara, vocês sabem, aquele rostinho malhação, não adianta: ELE NUNCA SERÁ O CAPITÃO AMÉRICA. É só eu que tenho dificuldade de ver um soldado nele? E se não consigo ver um soldado, imagina um capitão?

Recentemente, li INFINITY de Jonathan Hickman , onde Caps lidera os Avengers JUNTAMENTE com líderes e raças de planetas inteiros na luta contra uma espécie de criadores intergaláticos chamados de Construtores. O banderoso é um líder estrategista que usa táticas como Cavalo de Tróia e distrações para derrubar exércitos intergaláticos e trazer resultados que motivam e inspiram todos os planetas. Gostaria que aqueles que leram, ou irão ler esta história TENTEM imaginar Chris Evans no capacete do capitão. EU NÃO CONSIGO! Evans é um terrível erro de Casting, Chris Hemsworth, esse deviria ter sido o Capitão América, mas enfim. Eu não vou ficar falando mal novamente.

Finalmente temos coreografias de luta e ação incrivelmente decentes. O escudo do capitão em batalha esta devidamente retratado: Como se você enfrentasse dois ao mesmo tempo. Sendo que o escudo tem ataque furtivo e dano crítico com direito a 1 turno por atordoamento, seguido de teste de vigor para recuperação (Nerdmode off). Georges St-Pierre teve que operar o joelho depois de enfrentar o super soldado. Caps pula de vinte andares e amortece a queda com o escudo, resiste a uma explosão semi nuclear, derruba paredes…mas na hora de enfrentar um lança granadas do Bucky voa uns 5 quarteirões e acaba derrubando um ônibus ( deve ser uma granada bem especial). Samuel L. Jackson se sustenta nele mesmo e encontra espaço para mostrar porque Nick Fury é tão F@D@: Ele usa o sabre de luz e ainda deixa o melhor bônus do filme na sua lápide. Antony Mackie tenta ser o negão cheio de graça. Scarlet tenta ser a ruiva sexy e por aí vai. Não vamos ficar falando mal, ok?

Você acaba esperando muito tempo para ver o que o filme tem de melhor, que é a ação, os efeitos e a pirotecnia…tendo que aguentar a ridícula trama de espionagem que chega a ser um insulto para qualquer mente que se deu o trabalho de pensar no plot principal: Quer dizer então, que a ideia de um mundo seguro aprovado pela Shield, agência de segurança internacional, é colocar uma bala na cabeça de cada um com potencial terrorista? Não vamos argumentar quem decide ou não quem vai morrer…um programa bolsa anti terrorismo talvez….o ruim é que isso parece ser uma boa ideia até o momento que os “inimigos”, que até então eram os “mocinhos”, tomam o controle ( Não! Já tinham o controle…) da nova medida. Stark AJUDA a construir a medida genocida. E o pior, Capitão América, o “Herói do filme”, se limita APENAS a argumentar sobre o assunto..até descobrir que é tudo do “inimigo”. Nick Fury é o cara que deixou tudo isso acontecer sob seu único olho bom durante todos esses anos? Não era para esperar menos do cara que entregou de de mão beijada o cubo na mão do Loki em Vingadores. O Fury do cinema é um completo imbecil, OU pertence a HIDRA TAMBÉM. Porque outro motivo ele meteria um  BALAÇO NO CORAÇÃO do único cara que teria as informações sobre TODO O ESQUEMA DA HIDRA? Enfim… o sucesso do filme se justifica uma vez que o público americano é tão paranoico quanto a “ficha da morte” da Shield/ Hidra.

Não consigo: Acabei falando mal sobre tudo que me incomodava. Mas não vou me limitar a apenas isso, todo mundo faz. Oferecerei agora soluções. Dessa vez, ao invés de falar o quanto o filme é ruim eu vou estrear a sessão que seguirá toda crítica daqui para frente.

REBOTE:

PAra começar…esquece a medida de segurança da Shield, no final ela só serve para sustentar aquele joguinho de vídeo game que acontece nos céus. Manteria os agentes infiltrados da Hidra como plot principal, e desenvolveria a tonelada de questões relacionadas aos personagens, e filmes passados, como satélites dessa trama principal: Com Steve no centro de tudo.

Colocaria Sam Wilson como principal referência de Rogers para se realocar nos dias de hoje, isso daria tempo de sobra para eles se tornarem grandes amigos e Falcon seria uma figura simplesmente necessária para Steve, que dependeria dele, não somente como uma âncora espiritual contemporâneo, mas como um soldado mais moderno que interage com as novas tecnologias naturalmente. Capitão não ficaria para trás,  mas Falcon estaria lá ajudando ele, ao mesmo tempo em que seria sua versão sem soro super soldado: Fazendo o que ele faz, mas mais lento, o que em certos momentos poderia ser a sua vantagem.

Um dos melhores momento do filme é quando Rogers está com Peggy, o que poderia render muito mais se ela tivesse apresentado sua sobrinha em uma tarde de chá e bolinhos tradicional. Nessa cena ao ver os dois juntos, Rogers, o amor da sua vida ainda tão jovem, Peggy teria um colapso, o que leva ela para o hospital, deixando o emocional de Roger ainda mais abalado para o que vem a seguir.

E o que seria uma Viúva Negra com ciúmes? Não, Natasha é independente demais para isso, poderiam desenvolver mais a história dela com o Fury: Porque eles são tão especiais um para o outro? Lembro-me do arco nos quadrinhos em que Natasha revela que Logan a salvou dos ninjas do tentáculo quando ainda era criança, gerando uma eterna gratidão. Eu usaria esse plot para o Fury resgatando uma jovem Natasha da sala vermelha e redirecionando seus talentos. O que lançaria Viúva Negra em uma busca pessoal e cega contra seus assassinos, resultando na descoberta da conspiração Hydra/Shield.

Até para organizar melhor o filme e dar mais foco no personagem de Scarlet. Deixaria todo o plot de espionagem no arco da Viúva Negra, que manipularia Rogers durante a investigação sobre o Soldado Invernal convergindo no terceiro ato com um Rogers aprendendo a não confiar em ninguém, uma vez que Natasha o manipulou para chegar aos assassinos de Fury. O que não conseguiria sozinha da mesma maneira que Rogers não conseguiria encontrar o Soldado Invernal. Os dois conseguem o que querem, mas Rogers nunca mais confiará em alguém novamente. Os tempos mudaram hoje “A confiança é uma mulher ingrata que te beija te abraça, te rouba e te mata” já diria os mano.

Uma das melhores cenas do filme é quando Rogers desiste de lutar e Banners o espanca impiedosamente! Um pouco mais de carga, e teríamos um momento como aquele final de Batman The Dark Knight com o Duas caras. Para isso escolheria a exposição do Capitão América, lá seria minha cena para a batalha final, o que colocaria Barners em colapso mental com a overdose de lembranças em conflito com a lavagem cerebral. Então Rogers oferece ajuda e Bucky foge, confuso. Roger mal consegue andar.

Rogers moído, sem casa, sem shield, sem vingadores… volta para visitar Peggi.

Ele não fala nada do ocorrido, não dá detalhes, mas aparece muito abalado e abatido para Peggy, que se levanta da sua cama, com dificuldades, para pagaria sua dívida com Rogers.

O filme terminaria com a cena da dança que estamos esperando desde o fim do primeiro filme.

Cena pós crédito: revelamos que Fury poderia estar vivo e que tudo fazia parte do plano para revelar a Hidra inflitrada na Shield. Ele se encontra com Natasha e temos o plot para um filme da Shield, ou da Viuva Negra.

Cena pós crédito 2: Soldado invernal encontrando o escudo do Capitão América….perdido em batalha. TCHAU CHRIS EVANS!

Fim. Agora, não é por falta de exemplos. Bastava olhar para  “os lados” afim de achar modelos da história perfeita para o Capitão América. Todos sabem, que a história do Capitão América jamais contada foi escrita, minha opinião, no mínimo duas vezes: Primeiro pela série 24 horas com Jack Bauer, Kiefer Sutherland é o Steve Rogers. Depois em Metal Gear Solid 3 e Peace Walker…onde BIG BOSS se torna a melhor encarnação do soldado patriota de todos os tempos. Se tivesse um pouco desses elementos, o Capitão América seira devidamente retratado.

Sendo assim, atualizarei esse post com o confronto de soldados patriotas mais esperado do início do século.

LUTA

BIG BOSS vs STEVE ROGERS…”Patriota” vs Patriota.

DICA: O combate vai ser bem rápido.